domingo, 11 de março de 2018

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

CORREÇÃO DO TESTE DE FEVEREIRO

Grupo I – texto A
1.1   b)
1.2   c)
1.3   d)
1.4   a)
1.5   a)
Texto B
2       Rose mostrou-se observadora porque nada lhe escapou, nem os mais pequenos pormenores. Descreveu pormenorizadamente o modo de vestir de Paul e os traços do seu rosto, assim como todo o ambiente do café onde se encontraram e a paisagem que via dali.
OU
Rose mostrou-se antipática pela forma desabrida como falou com Paul: foi rude e mal-educada.
3       O tempo com Paul foi, para Rose, um tempo de alegria e de felicidade pois correspondeu a momentos do namoro que correram lindamente, antes da infelicidade da guerra e da proibição de namorarem.
3.1 O recurso expressivo usada é a metáfora.
4         Rose interpretou a resposta de Paul como um enorme elogio e sentiu-se amada pois as poucas e simples palavras usadas foram mais eloquentes e souberam-lhe melhor do que as palavras mais belas.
5         Paul vivia em conflito por cause de Rose pois era órfão e morava com a irmã mais velha, simpatizante dos nazis. Como Rose era judia, o namoro iria ser proibido e Rose corria riscos de ser denunciada uma vez que os nazis começaram a perseguir os judeus.
6         Momento de descrição: “Olhei de soslaio para o rapaz: era mais alto do que eu….. o boné vermelho dos alunos do último ano do “gymnasuim”.”
Momento de narração: “O meu tempo com Paul foi o último sol antes da trovoada….. Waltraut me apresentou Paul Marten. Subimos, os três, o monte.”
 Grupo II
1.1   B/C
1.2   A/C
1.3   B/D
2.1 visto que li o seu diário – oração subordinada adverbial causal
2.2 que quero comprar o diário de Anne Frank - oração subordinada substantiva completiva
2.3 que é a minha melhor amiga - oração subordinada adjetiva relativa explicativa
2.4 Não tem.
3.1 Rose teve de partir com os pais. Acompanhá-los-ia alegremente se não estivesse tão ligada ao avô.

3.2 Rose despediu-se do avô, mas não lhe disse o quanto gostava dele.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

AMEI-TE

Texto em 77 palavras da Sofia:

Amei-te e por te amar
Deixei até de pensar!
Fiz mais do que imaginava
Pois quem ama fica cego

Deixa de agir por si só
Torna-se parte de outro alguém!
Mas como é bom amar!
Tão bom nos dedicarmos ao outro!

Ficar com borboletas na barriga
Como se todos os dias fossem primavera
Caminhar sobre nuvens de algodão
E o nosso coração fica um constante verão!

Por tudo isso, e mesmo cega,
Eu quero amar, amar perdidamente!


O primeiro verso é do poema "Amei-te e por te amar" de Fernando Pessoa
O último verso é do poema "Amar" de Florbela Espanca.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

PALAVRAS - MICROCONTO

A Beatriz escreveu, a escritora Margarida Fonseca Santos leu na Rádio Sim (ouvir aqui).

Não saibas: imagina… as palavras acabadas de nascer, sem voz ainda, imperfeitas, mas ingénuas e puras. Parecem ter vida própria e independente. No entanto, que seria de nós sem elas?
As palavras são a nossa essência, crescemos com elas, vivemos com elas e, no fim da vida, com elas envelhecemos. Caminhamos lado a lado. Choramos, rimos, gritamos, confessamos os mais íntimos segredos com palavras e combatemos a solidão. As palavras sustentam as nossas vidas. Palavras somos nós.

“Não saibas: imagina”…, Miguel Torga, Diário IX
“Palavras somos nós”, Gastão Cruz, Os poemas



quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

EDUCAÇÃO AZUL E ROSA

O assunto deste cartoon é a educação "azul" para os rapazes e a educação "rosa" para as meninas.
Apesar de todos os esquemas e teorias sobre a igualdade de géneros, a sociedade insiste em marcar a diferença entre rapazes e raparigas. Devemos reparar nos brinquedos que, aos olhos da sociedade, devem ser oferecidos a meninas: bonecas, talheres, espelhos, rimel, batons; do outro lado, o menino e as "coisas dele": bola, papagaio, carro, avião.
Mal se sabe o sexo do bebé, procura-se comprar todo o enxoval com as cores que identificam o género: azul ou rosa. Até aos dez anos, é quase impossível mudar esta tendência e vestir um menino de rosa ou vice-versa. Aos quinze, as atividades extracurriculares são, também, influenciadas por este padrão que a sociedade alimenta. Os rapazes devem escolher futebol e as meninas a ginástica ou dança. Aos 18, na altura de escolher o curso para o futuro, continua a existir separação por géneros nas respetivas saídas profissionais. Por exemplo, na educação existem mais professoras do que professores, na política verifica-se o contrário.
Na vida adulta, falando em particular do casamento, existe ainda desigualdade do género. Assim, cabe à mulher a limpeza da casa e confeção das refeições, já para não falar do acompanhamento dos filhos. O homem deve ser o sustento da casa e aquele que transmite segurança à família.
Em jeito de conclusão, podemos afirmar que os anos passam, os séculos avançam mas as mentalidades resistem. Devemos, sem dúvida, trabalhar melhor na igualdade de oportunidades para o género feminino e masculino.
texto de Teresa Almeida, 8ºB
ano letivo 2017-2018

domingo, 19 de novembro de 2017

VANESSA VAI À LUTA - QUESTIONÁRIO 1

Depois de analisados os elementos paratextuais, folheia o livro.
1. Indica o espaço cénico onde decorrem as várias cenas.
1.1 O que há de pouco comum nesta peça em relação à divisão em atos e cenas?
Cena I
2. Transcreve uma didascália que indique:
• Cenário;
• Movimento corporal do ator;
• Expressão facial;
• Tom de voz.

3. Vanessa brinca de forma muito animada e a sua brincadeira é teatro dentro do teatro. Porquê?

4. “Anda, amiga, estás livre, ganhámos, ganhámos!”
4.1 Que estado de espírito expressa Vanessa nesta frase?
4.2 De que forma esta frase faz antever a intenção crítica da autora?

5. Caracteriza a personagem Vanessa de acordo com as suas atitudes e linguagem utilizada.

sábado, 18 de novembro de 2017

VOCABULÁRIO DO TEATRO

  • Ação
Assunto, enredo, intriga, história de uma peça e teatro.
  • Aparte
Falas de uma personagem que, segundo as convenções (regras) teatrais, se destinam a ser ouvidas pela público e não pelas outras personagens.
  • Ato
Cada uma das divisões de uma peça de teatro que exige mudança de cenário.
  • Ator
Aquele que representa uma ou mais personagens numa peça de teatro.
  • Autor/Dramaturgo
Autor de peças de teatro.
  • Bastidores
Espaços por detrás e ao lado do palco, fora da vista dos espetadores, onde os atores esperam pela sua entrada e onde se guardam os adereços e outros materiais.
  • Caracterizador(a)/caracterização
Pessoa que faz a caracterização:  cria no ator o aspeto adequado ao papel que vai desempenhar.
  • Cena
Subdivisão de um ato. Em cada cena, sai uma personagem ou entra outra.
  • Cenário
Lugar onde decorre a ação, situa o espetador na época e no lugar em que a história se passa.
  • Cenógrafo
Responsável pela criação/execução dos cenários.
  • Comédia
Peça de teatro de crítica social, tem o objetivo de fazer rir o espetador.
  • Contrarregra 
Aquele que marca a entrada dos actores em cena.
  • Deixa
Palavra ou palavras do fim da fala de uma personagem, que determinam quando a outra personagem deve iniciar o seu discurso/a sua fala.
  • Didascália
Indicação cénica que se refere à caracterização (atitudes) das personagens em vários momentos da peça, à sua movimentação em cena (entrada, saída, etc.), aos lugares em que se passa a história e ao tempo em que ela decorre.
  • Diretor(a)
Responsável máximo por uma companhia de teatro.
  • Encenador (encenação)
Aquele que idealiza o espetáculo teatral, dirige os atores nos seus papéis, leva à cena o texto dramático.

  • Elenco

Conjunto de atores que entram numa peça de teatro
  • Figurinista
Técnico de teatro que se ocupa dos modelos, dos figurinos (vestuário, maquilhagem, penteado e outros complementos).
  • Fotógrafo (fotografia)
Técnico especializado que regista os momentos, as cenas de uma peça de teatro. Pode acumular com as funções de operador de vídeo.
  • Guarda-roupa
Conjunto de trajes que são pertença de uma companhia de teatro para desempenho dos atores em diferentes peças.
  • Luminotécnico
O responsável pela iluminação, pelo efeito das luzes em cena.
  • Papel
Parte da peça teatral que compete a cada ator desempenhar.
  • Palco
Parte do teatro onde os atores representam.
  • Peça de teatro (texto dramático)
Texto que serve de base à representação.
  • Ponto
Pessoa que, durante a peça, escondida do público, apoia os atores quando eles se esquecem das suas falas, lendo o texto em voz baixa,
  • Público
Pessoas que assistem à representação de uma peça de teatro.
  • Sonoplasta (sonoplastia)
Pessoa responsável pelo som (seleção e execução dos efeitos acústicos).
  • Teatro
Lugar onde se representam peças de teatro.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

POR FAVOR, NÃO ATROPELEM O PORTUGUÊS!

São muitos os atropelamentos que a língua portuguesa sofre diariamente e várias vezes ao dia. Ora vejamos aqui alguns exemplos mais significativos.